Guia APLV

7 dicas para lidar com a dieta de restrição da APLV

Talvez você ainda estivesse nas madrugadas insones dos primeiros meses quando apareceu a suspeita de que o seu filho tivesse APLV. Claro, deu aquela aflição. Se o diagnóstico confirmou, você deve ter ficado aliviada por saber como tratar, mas, ao mesmo tempo, preocupada em seguir todos os passos do tratamento. E, se você amamenta, isso também te inclui: é preciso cortar da sua dieta todos os alimentos que contenham leite e derivados.

Não é fácil, a gente sabe. Até porque os derivados do leite incluem alimentos como bolos, sorvetes, tortas, salgadinhos, molho branco e até o pão de todo dia. Também é preciso ficar atento a medicamentos, produtos e outros alimentos que contenham as substâncias presentes no leite de vaca, como caseína, soro do leite e lactose. Se a criança com APLV já consome outros alimentos além do leite materno, essa lista toda de restrição vale para ela – e daí é preciso também ajudá-la a entender os cuidados que deverá ter nessa fase de tratamento.

Afinal, para que o tratamento da APLV tenha sucesso, será preciso adotar novos hábitos -- o que traz algum incômodo. Mas quando a dieta é seguida corretamente, os sintomas da APLV tendem a melhorar, e isso não tem preço. Veja, abaixo, sete dicas para lidar com a dieta de restrição.

1 - Separe os utensílios

Você já ouviu falar em contaminação cruzada? Quando você faz um bolo contendo leite e depois utiliza a mesma tigela para fazer outra massa, sem o ingrediente, os resquícios de leite de vaca podem acabar contaminando o bolo feito para a criança alérgica. Por isso, o ideal é isolar os utensílios utilizados para preparar comidas livres do alimento. Isso inclui desde o liquidificador e os talheres até a esponja para lavar louça.

Se separar tudo não for possível, fique bastante atento à limpeza dos utensílios.

2 - Faça um diário alimentar

O diário alimentar pode ser trabalhoso, mas é a melhor forma de identificar alimentos causadores de alergia na criança. Registre nele todas as refeições e medicamentos ingeridos, assim como os horários e quantidades. Se houver qualquer reação alérgica, anote os sintomas e outros detalhes importantes.

3 - Converse com a criança sobre a dieta

Ainda que você controle de perto tudo o que a criança come, é imprescindível que ela esteja consciente sobre existência da condição e suas consequências, quando já tem idade suficiente. Explique que ela não pode comer certos alimentos porque, senão, faz dodói. Relembre alguma das reações, por exemplo, e diga que se ela comer aquele bolo de chocolate, poderá sentir dor na barriguinha ou falta de ar novamente.

4 - Procure substitutos para o leite de vaca

No caso da APLV, o leite de vaca deve ser excluído obrigatoriamente da dieta da criança e, portanto, a sua substituição adequada deve seguir orientação do médico, pois ele irá orientar quais alimentos o seu filho deverá consumir para garantir o seu desenvolvimento normal e se há necessidade de suplementação para evitar um possível déficit nutricional.

5- Varie o cardápio

A dieta é restritiva, mas isso não significa que o cardápio não possa ser variado. A alimentação repleta de macro e micronutrientes necessários garante o desenvolvimento da criança e também facilita a adoção da dieta.

Seguindo as recomendações do médico, dedique-se a procurar receitas diferentes com os alimentos indicados. Também experimente apresentações divertidas do prato para estimular a criança a comer.

Outra ideia para tornar o momento da refeição mais divertido é criar cardápios especiais em certos dias da semana. Quarta-feira, por exemplo, pode ser o festival da peixinho , enquanto sábado pode ser o dia de cozinhar cupcakes sem leite com a mamãe. O momento da alimentação não precisa ser traumatizante enquanto a dieta é realizada.

6 - Inclua o resto da família

Não é necessário que toda a família siga a dieta, mas é importante que alguns hábitos sejam compartilhados. Encontrar uma padaria que faça quitutes sem leite de vaca pode ser forma de levar todo mundo a se alimentar, dentro de casa, apenas com os pães feitos pelo estabelecimento. Procure, também, por refeições completas sem leite que agradem a todos.

Se você tem outros filhos, é importante conversar com eles sobre a importância de ajudar o irmãozinho ou irmãzinha a seguir com a dieta.

7 - Tenha uma lista dos alimentos a serem evitados

Parece óbvio, mas é importante ter uma lista acessível dos alimentos que devem ser evitados durante a dieta de restrição. Você deve, por exemplo, tê-la disponível em seu celular, mas também em versão física, como em papel colada na geladeira.

Veja, abaixo, uma lista de alimentos que costumam ser excluídos da dieta em casos de APLV:

  • Leite de vaca (todos os tipos: integral, desnatado, semi-desnatado, evaporado, reconstituído, fermentado, condensado, em pó, fluido, desidratado, maltado, sem lactose)
  • Queijo
  • Leite e queijo de cabra, de ovelha e de búfala
  • Iogurte
  • Coalhada
  • Petit suisse
  • Bebida láctea
  • Creme de leite
  • Nata, coalho, creme azedo
  • Soro do leite
  • Manteiga
  • Margarina que contenha leite
  • Ghee (manteiga clarificada)
  • Requeijão
  • Cream cheese
  • Molho branco
  • Doce de leite
  • Chantilly
  • Cremes doces
  • Pudim

Além dos alimentos, tenha uma listinha dos ingredientes que não devem ser consumidos pelo seu filho ou por você, caso esteja amamentando um bebê com APLV. Ler rótulos será um hábito e é importante facilitar a tarefa. Veja algumas das substâncias a serem evitadas:

  • Caseína
  • Caseinato (todos os tipos de amônio, cálcio, magnésio, potássio ou sódio)
  • Lactose
  • Lactoglobulina, lactoalbumina, lactoferrina
  • Gordura de manteiga, óleo de manteiga, éster de manteiga
  • Gordura anidra de leite
  • Lactato
  • Soro do leite, whey protein
  • Fermento lácteo
  • Cultura inicial de ácido lático fermentados em leite ou soro de leite
  • Composto lácteo , mistura láctea
  • Proteína láctea do soro do leite microparticulada
  • Diacetil (normalmente usado em cerveja ou pipoca amanteigada)
  • Aditivos que podem conter traços de leite, como corantes, aroma ou sabor natural de manteiga, margarina, leite, caramelo, creme de coco, creme de baunilha, iogurte, doce de leite e outros derivados do leite.

Sempre consulte o SAC do fabricante dos produtos, pois podem ter alterado a formulação.

Bibliografia: Stanford Children’s Health - Milk Allergy Diet for Children, Johns Hopkins Medicine - Milk Allergy Diet, Web Medical Team - Living With a Milk Allergy

RECEITA EM DESTAQUE:

Coxinha de frango

Coxinha de frango