Guia APLV

Alergia ao leite de vaca (APLV) ou intolerância à lactose? Veja as diferenças

A APLV é uma reação do sistema imunológico às proteínas presentes no leite de vaca, como a caseína; já a intolerância à lactose é quando o sistema digestivo reage ao açúcar presente no leite.

Você tem percebido que o seu bebê passa mal depois de mamar? Pode ser que ele tenha alergia à proteína do leite de vaca (APLV) ou intolerância à lactose. Mas ainda que ambas apresentem alguns sintomas semelhantes, são condições diferentes e variam, inclusive, de acordo com a gravidade das reações. E o mais importante: as duas têm tratamento.

A alergia ao leite de vaca é muito mais comum em crianças – especialmente em bebês. Adultos raramente têm APLV. A intolerância à lactose pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais recorrente em adultos e idosos. Também pode surgir como consequência, às vezes temporária, em casos de diarreia prolongada ou doenças inflamatórias intestinais.

A APLV pode trazer consequências mais graves do que a intolerância à lactose. Sabendo que ela é mais recorrente na infância, é mais alta a chance de um bebê apresentar APLV do que intolerância à lactose. Vamos entender as diferenças entre as duas condições?

Entendendo a APLV e a intolerância à lactose

A alergia à proteína do leite de vaca é uma reação do sistema imunológico às proteínas presentes no leite de vaca e em seus derivados, como manteiga, queijo, requeijão e iogurte. Para entender melhor como isso acontece, vamos começar tendo em mente que as proteínas são moléculas grandes constituídas por aminoácidos ligados entre si, como em um colar de pérolas.

A ligação desses aminoácidos (ou pérolas, na nossa analogia) forma regiões chamadas epítopos, consideradas as mais alergênicas das proteínas alimentares. Ou seja, os locais onde as pérolas se tocam no colar são os principais locais reconhecidos pelo sistema imunológico como “inimigos”.

Assim, quando a criança alérgica ingere o leite de vaca, o seu sistema de defesa irá reconhecer as proteínas como prejudiciais e produzirá anticorpos IgE específicos e/ou células inflamatórias que acarretarão reações alérgicas.

Já a intolerância à lactose é a impossibilidade de digerir leite e seus derivados. Ela ocorre em pessoas que não produzem a enzima lactase, ou não a produzem em quantidade suficiente para digerir a lactose, o açúcar presente no leite.

A intolerância à lactose, portanto, envolve o sistema digestivo, e não o sistema imune. Em vez de digerir normalmente a lactose no estômago e intestino delgado, a substância se move para o cólon, onde é decomposta por bactérias, causando inchaço e gases.

Alergia ou intolerância à lactose?

O sintomas são os principais indicadores, fundamentais para o diagnóstico. A APLV pode causar diversas reações, que podem ocorrer imediatamente após a ingestão do leite de vaca ou até semanas após o consumo. Veja as mais recorrentes:

  • Vômitos
  • Cólicas
  • Diarreia
  • Dor abdominal
  • Prisão de ventre
  • Sangue nas fezes
  • Refluxo
  • Urticária
  • Dermatite atópica
  • Asma
  • Chiado no peito
  • Rinite
  • Reação anafilática
  • Baixo ganho de peso e crescimento

A intolerância à lactose, por outro lado, causa apenas sintomas intestinais. Eles podem ocorrer em minutos ou horas após a ingestão de leite de vaca. Assim, não há sintomas tardios. As principais reações são:

  • Diarreia
  • Cólica
  • Gases
  • Distensão abdominal (barriga estufada)

Diagnóstico e tratamento

Para diagnosticar ambas as condições, é preciso consultar um médico que irá traçar o histórico clínico e registrar os principais sintomas. No caso da APLV, exames podem ajudar quando há sintomas imediatos, pois há a produção de anticorpos que podem ser identificados nos testes.

Mas o diagnóstico final é confirmado apenas quando as reações regridem durante a dieta de exclusão e o Teste de Provocação Oral. Ele consiste em reintroduzir o leite em pequenas e progressivas doses para entender se o leite é realmente a causa dos sintomas. Importante destacar que essa etapa deve ser sempre realizada na presença do médico, caso a criança apresente alguma reação alérgica mais grave.

A intolerância à lactose é diagnosticada pela observação dos sintomas associados à ingestão de alimentos com lactose. Assim que as condições forem diagnosticas, o profissional de saúde dará início ao tratamento. Para a APLV, é preciso retirar da dieta tudo o que contenha leite de vaca. Ele poderá indicar alimentos substitutivos para garantir o crescimento e desenvolvimento adequado da criança ou a dieta de restrição para as mulheres que amamentam. Portanto, não se preocupe: seguindo as recomendações médicas, não há motivos para que o seu filho tenha a saúde prejudicada. No caso da intolerância à lactose, o consumo de leite e seus derivados será reduzido, mas a quantidade depende de cada caso.

É importante lembrar que nem a APLV nem a intolerância à lactose significam o fim da amamentação. O leite materno deve ser sempre o principal alimento oferecido ao bebê e o médico fará a orientação da dieta materna para que a amamentação não seja interrompida.

Ficou tudo mais claro? Ainda tem dúvidas sobre APLV e intolerância à lactose? Entre em contato com a gente.

Bibliografia:Web Medical Team - Lactose Intolerance vs. Dairy Allergy, Food Allergy Research & Education - Milk Allergy vs. Lactose Intolerance

RECEITA EM DESTAQUE:

Empada de liquidificador

Empada de liquidificador